Google+ Followers

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Fuga no Presídio de Januária pode custar até R$ 10 mil; visita fora do período regular, até R$ 4 mil


Uma fuga do Presídio de Januária pode custar até R$ 10 mil. E uma visita assistida a preso fora do horário regular, até R$ 4 mil. É o que afirmam agentes penitenciários para os quais o Presídio de Januária teria se transformado numa “baderna completa”.

De acordo com os agentes, que pedem para ter os nomes preservados, a entrada de drogas, celulares e concessão de outros privilégios a determinados presos é facilitada por alguns poucos agentes corruptos, com a conivência de superiores hierárquicos.

O descumprimento de normas de segurança para evitar tumultos e fugas também teria se tornado uma constante no local. Presos e agentes contam que recentemente cerca de 30 detentos e aproximadamente 17 detentas foram colocados juntos para assistir a uma palestra sobre “Sexo oral, sexo anal e Doenças Sexualmente Transmissíveis”, sob a vigilância de menos de 10 agentes penitenciários.

Segundo os agentes, presos que estariam há meses, alguns até há anos sem manter relações sexuais, jamais poderiam ter sido colocados para assistir a esse tipo de palestra, inclusive com exibição de slides e vídeo em um telão, junto com mulheres, entre elas agentes penitenciárias e detentas. A atitude teria sido condenada inclusive pelos presos de bom comportamento, que viram na situação um risco para a integridade física e sexual das agentes penitenciárias e das detentas, eles revelam.

Alguns agentes se dizem perseguidos pelos superiores hierárquicos. Segundo eles, agentes que fariam parte da “corriola” dos superiores hierárquicos se permitem trabalhar sem uniformes; adentram ao presídio, inclusive ao local das selas, portando celulares, de onde efetuam ligações; não respondem a qualquer sindicância em caso de fuga de presos ou de danos ao patrimônio público. Eles exemplificam citando o caso de uma viatura Blazer, capotada no trajeto entre Manga e Januária, sem estar efetuando o transporte de preso, que sofreu perda total e encontra-se no pátio de uma empresa local, com ordens de não se permitir que seja fotografada. “Não houve qualquer sindicância para apurar responsabilidades na destruição dessa viatura”, afirma um dos agentes.

O comportamento devasso de alguns superiores hierárquicos também é questionado pelos responsáveis pela segurança do Presídio de Januária. Segundo eles, durante uma reunião com agentes penitenciárias, uma superiora hierárquica lançou mão de uma banana, ficava introduzindo-a e retirando-a da boca, em gesto obsceno, fazendo pilhérias e causando constrangimentos às suas subordinadas.

Presos com alto poder aquisitivo ou que sejam autoridades também gozariam de privilégios no Presídio de Januária. Segundo os agentes, no dia em que o empresário Marcus Vinícius Crispim, o Corby, e o ex-prefeito de Itacarambi Rudimar Barbosa foram levados para o Presídio de Januária, os “faxinas”, presos encarregados da limpeza, se recusaram a cumprir ordens de higienizar o banheiro e lavar a cela que foi especialmente desocupada para abriga-los. Alegando que eram ordens “da justiça”, superiores hierárquicos deslocaram três agentes penitenciários que faziam a segurança do Presídio para efetuarem higienização do banheiro e limpeza da cela. Dois se recusaram a fazer o serviço, que acabou sendo executado pelo único agente que teria concordado em se submeter à humilhação.

Em troca desses privilégios concedidos a alguns detentos, agentes penitenciários receberiam dinheiro, empréstimo de sítios de alto luxo para realização de festas e outros benefícios. O patrimônio de alguns agentes teria crescido de forma incompatível com o rendimento auferido. Um deles teria adquirido lote, casa, carro e moto, em menos de um ano.

O clima de terror implantado no Presídio de Januária estaria inclusive prejudicando a saúde dos agentes. “Todo o tempo recebemos recado de que o “facão” está chegando”, diz um dos agentes. “O facão”, segundo ele, e o jargão usada por alguns superiores hierárquicos para ameaçar de demissão os agentes contratados que não se submeteriam aos caprichos e até ao assédio sexual por parte de alguns superioreshierárquicos.http://www.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fblogdofabiooliva.blogspot.com.br%2F2015%2F01%2Ffuga-no-presidio-de-januaria-pode.html&h=oAQH0X0t8   BY FÁBIO OLIVA

Nenhum comentário:

Postar um comentário